um blog que discute o Rio e o Brasil


Seja bem vindo! Deixe um Comentário.


sexta-feira, 12 de agosto de 2011

Dilma vai bem, obrigado

Do Blog do Zé Dirceu
Pesquisa do IBOPE revela bons índices em relação ao outros governos...
Image
Dilma Rousseff
 
Já era esperada uma relativa queda na avaliação pessoal da presidenta Dilma Rousseff e de seu governo após seis meses no poder. Foi o que confirmou a pesquisa CNI/IBOPE, divulgada nessa 4ª. A aprovação da forma como Dilma comanda o país passou de 73%, na pesquisa divulgada em abril, para 67%. Já, a aprovação dos brasileiros ao seu governo saiu de 56% para 48% no mesmo período.
 
 
A variação, muito explorada pela imprensa, no entanto, em nada deve à aprovação de outros governos em seu primeiro semestre de gestão. Comparando, nos governos anteriores, em pesquisas da própria Confederação Nacional da Indústria, aos seis meses de governo, o desempenho pessoal de Lula era aprovado por 70%, e o governo era considerado ótimo ou bom por 43%. Em 1995, após seis meses, o desempenho de Fernando Henrique Cardoso era aprovado por 64%, enquanto o seu governo tinha o apoio de 42% dos brasileiros ouvidos.

Flávio Castelo Branco, gerente-executivo de Política Econômica da CNI, relativizou a queda registrada na pesquisa. Para ele, a aprovação pessoal da presidenta e do governo do PT, no frigir dos ovos, permanece "bastante elevada".

"Ajuste de expectativas"

Para Branco, as alterações e a percepção após um semestre de governo equivalem tradicionalmente a um "ajuste de expectativas". "O (presidente) eleito sai com uma popularidade muito associada à sua vitória eleitoral. Ele decola de um nível muito alto", diz. "(A tendência da pesquisa) não mostra a deterioração do serviço de saúde ou da carga tributária, mas a percepção do entrevistado de que não mudou [a situação do país], quando ele tinha a expectativa de que mudaria" , avalia o representante da CNI.

O levantamento divulgado esta semana, de fato, chama a atenção para os problemas da saúde – nesse quesito, o aumento do índice de desaprovação foi de 53% para 69%. Também acende o sinal amarelo para as áreas de segurança (onde a desaprovação aumentou de 49% para 65%); juros, de 43% para 63%; e inflação (42% em abril para 56% agora). Por outro lado, é bom lembrar que o desemprego vem caindo - em junho sua taxas nas seis maiores áreas metropolitanas, segundo o IBGE, ficou em 6,2%, o nível mais baixo desde março de 2002. E, agora, o INPC do mesmo IBGE, que mede a velocidade do aumento de preços, ficou zerado em julho. Mesmo os juros – com a Selic a 12,50% - já teriam batido no teto, de acordo com boa parte dos economistas plantão.

Ponderando todos esses indicadores, a conclusão é de que o alto índice de aprovação da presidenta Dilma Rousseff e de seu governo deve se manter nas próximas enquetes. Ainda assim, não dá para relaxar. Não podemos deixar de destacar o agravamento da crise internacional, que será captado nas próximas pesquisas, assim como a ação da presidenta com relação às denúncias recentes em alguns setores do governo federal, que não foram computadas no momento da última pesquisa, realizada entre 28 e 31 de julho, depois, portanto, dos episódios que envolveram as áreas de transportes e de turismo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário